Você sabia que homens também podem ter câncer de mama?

Os homens representam 1% dos casos de câncer de mama, ou seja, para cada 100 mulheres diagnosticadas com câncer de mama, há 1 homem com o mesmo diagnóstico. No entanto, nesse grupo a taxa de mortalidade é mais alta exatamente porque o nível de conscientização sobre o assunto é escasso.

Homens também têm glândulas mamárias e hormônios femininos, ainda que em pequena quantidade. A mama masculina é um órgão pequeno e o câncer de mama em homens é muito raro, mas pode acontecer.

Justamente por ser mais raro, não existe rastreamento de câncer de mama (ou seja, não é realizado a mamografia de rotina neles), a não ser que cheguem ao médico com alguma queixa na mama. Portanto, o mais importante: que cada homem preste atenção em seu corpo.

Os principais fatores de risco são: exposição à radiação, níveis altos do hormônio estrogênio e histórico familiar.

Ao primeiro sinal de um caroço na mama, ou inchaço próximo do mamilo, ou secreção pelo mamilo, é bom agendar um médico. O aumento da mama no homem, ou mesmo o caroço, pode ser só uma ginecomastia – o que é mais comum –, que significa um aumento totalmente benigno da glândula mamária do homem, sem risco para câncer de mama.

PRINCIPAIS SINTOMAS

  • Surgimento de caroço próximo ao mamilo
  • Retração do mamilo
  • Dor unilateral na mama
  • Secreção pelo mamilo

TRATAMENTO

Como a mama masculina é pequena e os nódulos são atrás do mamilo, geralmente não há como fazer cirurgias conservadoras (que retiram apenas parte da mama). A cirurgia costuma ser a retirada de toda a mama com a aréola e o mamilo como margem de segurança (mastectomia total), com a cirurgia axilar (retirada de um gânglio – linfonodo sentinela – ou de vários gânglios da axila) na mesma cirúrgica.

Outros tratamentos podem ser necessários, como nas mulheres: quimioterapia, radioterapia, bloqueio dos hormônios. Tudo vai depender do tamanho do tumor e de suas características biológicas.

Normalmente, ele aparece em homens mais velhos, acima dos 60 anos, e pode ser mais frequente em homens cujas famílias apresentam muitos casos de câncer de mama (mesmo que em mulheres) e câncer de ovário.

Texto: Maynara Souza (CRN 24448)
Nutricionista da Casa Mulher & Vida